dezembro 15, 2011

Um amigo por uma garota

- O que você acha?
Eu perguntei a Aline ao mostrar minha jaqueta com a letra K estampada nas costas. Ela se fez de contente e disse que Katarina ficaria feliz. Havia uma semana que eu tinha conhecido Aline. Ela atravessou meu caminho depois que Ravier se interessou por ela. Era festa do padroeiro na cidade, gente pipocando de toda parte, barraquinhas de camelôs fazendo fila na praça. O parque de diversão, que chegava todo ano na mesma época, era o ponto de encontro certo depois da novena.
Por lá, Ravier e eu circulávamos toda noite. Andávamos em alguns brinquedos e depois tomávamos um sorvete ou comprávamos pipoca. A casa dele era quase ao lado, então, muitas vezes íamos até lá beber água e conversar qualquer coisa, enquanto o movimento no parque aumentava. Encontramos, certa vez, uma pistolinha d’água em um camelô e sempre a levávamos conosco. Quando estávamos nos brinquedos mais altos, atirávamos lá de cima e os pingos caíam nas pessoas que passavam. Nos divertíamos muito com isso.
Foi em uma dessas noites, que Ravier chegou pra mim e disse que estava interessado em uma garota. A princípio bateu aquele ciúme. Poxa, ele vai ficar com essa menina agora e adeus nossa diversão. Mas depois a situação pareceu bem divertida. Nos aproximamos dela e das amigas e começamos a fazer amizade. Ravier, bem mais desenrolado do que eu, logo estava íntimo, só não tinha coragem ainda de se declarar para Aline. E foi aí que eu entrei na história. Ele comprou uma flor perfumada, dessas que vendem nas barraquinhas, me pediu que entregasse a ela e lhe perguntasse se queria ser sua namorada.
Não me agradava nem um pouco aquela tarefa de cupido, me parecia uma perda de tempo, era muito melhor estar na fila para o autopista ou o King Polvo, mas não podia fazer aquela desfeita com Ravier. O futuro amoroso dele estava nas minhas mãos, e como melhor amigo, tinha a obrigação de ajudar. E assim aconteceu. Ravier me entregou a flor e desapareceu no parque. Era minha hora de agir. Com a rosa na mão, olhei em volta e vi Aline conversando com as amigas. Meio sem jeito, me aproximei e fiz sinal para ela vir até mim. Assim que ela chegou, entreguei a flor.
- Ravier pediu pra te entregar. Ele quer saber se você quer namorar com ele.
Aline se mostrou bastante surpresa, cheirou a flor, olhou em volta na procura de Ravier, mas declinou do pedido. Disse que gostava muito dele, mas como amigo. Eu já estava saindo, quando ela me puxou.
- Ei... mas eu sei quem tá gostando de você.
- Quem? – perguntei completamente surpreso.
- Katarina.
Katarina tinha feito parte da minha vida alguns anos antes. Eu e ela chegamos a dublar Sandy e Junior em eventos de escola e festinhas na minha casa. Mas ela nunca demonstrou nenhum interesse em mim. E agora aquela menina, que eu mal conhecia, dizia que Katarina estava gostando de mim. Seria possível? Aline se explicou. Ela e Katarina estavam estudando juntas agora e a amiga tinha lhe confessado sua paixão por mim. Mas segredo! Katarina não poderia saber que Aline tinha me contado.
Ainda no susto, prometi não contar nada e saí, fui em busca de Ravier, dizer-lhe que Aline não tinha aceitado seu pedido de namoro. Era sua primeira decepção, mas ele não deixaria se abalar. Compramos entrada para o autopista e fomos nos divertir.
No dia seguinte, voltei a pensar no que Aline tinha me dito sobre Katarina. Seria mesmo verdade que ela estivesse a fim de mim? Mas nem foi preciso usar muito meus neurônios. Na mesma noite, Aline foi ao nosso encontro reforçar seu boato sobre Katarina. Não havia o menor embaraço entre ela e Ravier. Parecia que nada tinha acontecido na noite anterior. Conversavam e riam como bons amigos. E assim se repetiu outras vezes. Aline estava cada vez mais ligada a nós. Já me sentia totalmente à vontade em sua presença. Cada noite ela trazia uma novidade de sua amiga, que tinha falado em mim, escrito meu nome no caderno. Até o dia em que apareci com a jaqueta que tinha um grande K nas costas. Era meu aviso de que estava gostando de embarcar naquela aventura. Até que minha mãe me alertou.
- Deixa de ser bobo. Você num tá vendo que é Aline quem tá a fim de você?
Não acreditei. Não poderia ser verdade. Ela não mentiria para mim. Assim que a encontrasse no parque aquela noite iria tomar satisfações. Ravier quis saber se eu tinha pretensões de namorá-la no caso de ser verdade. Eu sabia que ele ainda gostava dela, e automaticamente garanti que não. Mas quando ela chegou e confessou a verdade depois de muito relutar, não consegui dizer não, diante de seus olhos cheios de amor por mim. Mas e o amor de Ravier? Não consegui usar a lógica, nem pesar os valores. Não queria perder a amizade dele, nem desapontar Aline, e assim cedi ao seu pedido. Ravier ficou arrasado.
Apesar de ser a favor de me ver ao lado de Aline, minha mãe se preocupou com Ravier, afinal, ele era quase outro filho para ela. Eu me sentia muito mal, não queria estar fazendo aquilo com ele, mas por alguma razão, me sentia na obrigação de corresponder a Aline. Eu ainda não havia entendido que o homem também poderia recusar um pedido de namoro. O machismo é um mal aos homens também. Ravier foi para os fundos do parque e sentou solitário em um banco. Minha mãe foi até lá, evitar que minha imaturidade estragasse nossa relação. De cima do King Polvo com Aline, eu vi os dois. Me deu uma vontade louca de descer lá e pedir perdão de joelhos a ele. Olhei para Aline ali do meu lado sorridente e deu vontade de jogá-la lá de cima.
Era evidente que eu não estava agindo com o coração. Mas com que diabo de órgão estava agindo então? Minha sorte é que Ravier era uma alma pura, e passado o momento de desilusão, já estava de volta ao meu lado, sem eu nem ao menos me desculpar. Nos dias seguintes, voltou a ser o moleque sorridente e brincalhão de sempre. Tirou foto de Aline comigo, me ajudou a escolher bijuteria para ela nos camelôs. Virou o padrinho do nosso namoro. Aline conseguiu ainda muitos favores de mim com seu jeito ardiloso de alcançar os objetivos. Ela me apresentou o ciúme, as DRs, e me cobrou a atitude de homem. Com tudo isso, nosso namoro ainda chegou a dois meses. A amizade de Ravier durou mais um pouquinho. E Katarina... Essa nunca se interessou por mim.

22 comentários:

  1. O Natal é o calor que volta ao coração das pessoas,
    a generosidade de compartilhá-la com outros e a esperança de seguir adiante.
    Que a paz e a compreensão reinem em nossos corações neste Natal
    Com todo carinho te deixando meus votos de Um Feliz Natal para você familia e amigos.
    Beijos no coração .

    ResponderExcluir
  2. “... mas por alguma razão, me sentia na obrigação de corresponder a Aline.”

    Bom dia, meu amigo, tudo bem? Eu adoro seu texto... você procura sobrepor as sensações de tal modo que acabamos mesclando também os sentimentos do garoto de antes com o garoto de hoje... muito legal isso. Torna a escrita nada linear... fica mais “cinematográfica”, entende?

    Bem, queria te desejar muitos dias felizes, muito carinho e amor, pra você viver, não apenas em 2012, mas sempre!

    Beijão

    ResponderExcluir
  3. Hoje em dia são poucas as pessoas que conseguem manter no mesmo plano um namoro e uma amizade... no geral, sempre uma parte sai machucada...

    Enfim, tenha um excelente Natal cara! Tudo de bom pra você!

    Abraços!!

    ResponderExcluir
  4. o fim do texto é maravilhoso, e katarina, ah essa nunca gostou de mim.

    ResponderExcluir
  5. Lembrou um fato que aconteceu com minha irmã caçula na infância.kkkk.

    Feliz Natal,menino!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Adorei o texto!

    Ravier é mesmo apaixonante.

    Bom será o mundo quanod um jovem como você foi, como muitos de nós fomos, pudermos saber e seguir o coração. Apenas o coração!

    Feliz 2012!

    ResponderExcluir
  7. Eu até pouco tempo tinha problemas sérios para dizer não. Mas isso tem mudado bastante nos ultimos tempos. Só para compensar, sabe o filme yes man? Minha vida tem sido basicamente um No man, pra tudo ahauahauhaua.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  8. Me interessam as palavras não ditas, lendo seu texto, não pude deixar de pensar em quantas palavras não foram ditas entre você e o Ravier...

    Eu sempre fui ensaboado e, apesar de muitas vezes ter umas menininhas casadoiras atrás de mim, sem sai como se fosse do Missão Impossível...

    E quanto aos "mas"... eles são realmente um problema...

    (Espero te encontrar no MSN para colocarmos o papo em dia, abração.)

    ResponderExcluir
  9. Noooossa, um amigo como você, quem precisa de inimigos? Rs

    ResponderExcluir
  10. Gostei do seu blog e dos seus textos! Narrativa gostosa e leve!

    Super indicado! Voltarei aqui mais vezes também!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  11. "mas por alguma razão, me sentia na obrigação de corresponder a Aline."
    Sentimento tenso esse... causador das maiores tragédias sentimentais... =(
    Quem nunca?

    ResponderExcluir
  12. Obrigado pela visita, moço! Que cuidadoso o layout do seu blog! Muito bacana. Parece-me que seu blog é recente, certo? Um abraço.

    ResponderExcluir
  13. *SG, que bom que gostou daqui. Sinta-se sempre bem-vindo!
    Assim como estarei sempre no seu espaço.

    Abraço! =)

    *Nil, obrigado pela visita.
    Pois é, esses malditos sentimentos de obrigação a algo nos destruindo.

    Abraço! =)

    *Diego, agradeço o elogio!
    O blog é novo sim.
    Tô explorando há pouco.
    Sinta-se à vontade por aqui!

    Abraço! =)

    ResponderExcluir
  14. Seu texto é o que chamaria de "DOM".

    Quem gosta de ler sabe o que to falando.

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  15. Wooooooow!!!
    Parabéns pela escrita. Vc realmente é fodão!!
    Beijocas!!

    ResponderExcluir
  16. Não é fácil administrar todos os relacionamentos que nos dispomos a protagonizar. Já perdi namorado por ciúme de amiga, perdi namorado pra ficar com uma amiga e na recente confusão namoro com meu mais significante amigo e não é facil separar, acabo reclamando dele pra ele mesmo.





    Mas há um tipo, de pessoa que faz a gente esquecer de tudo, todo relacionamento fica pequeno, esquecível, por menos duradouro que ele possa ser, você arrisca a família, as boas amizades, se vai durar pouco, se vale a pena, a gente até releva quando lembra que naquela hora ela (a pessoa) criou um mundo pra vocês dois.

    ResponderExcluir
  17. Decidir entre a razao ou a emocao: eis o dilema! Penso que o GI de hoje optaria pelo Ravier, certo?

    Que o seu Natal tenha sido iluminado e que este 2012 seja de muitas realizacoes na sua vida!!!

    ResponderExcluir
  18. Quando faço coisas que eu não entendo, até hoje faço a mesma pergunta que vc se fez:

    "Era evidente que eu não estava agindo com o coração. Mas com que diabo de órgão estava agindo então?"

    Muito bom seu texto! Aliás, quem nunca?

    Abraços!!

    ResponderExcluir
  19. Marcelo HD e I'm... Dii Rainbow, obrigado pelo acalento da alma. =)
    Fico feliz por gostarem da forma como escrevo.

    Abração!!

    *********************

    Yuno, adorei vc reclamar do namorado pra ele mesmo como um amigo. rsrs
    Muito legal!!
    E realmente quando o amor acontece de verdade, a alma se completa. =)

    Abração!!

    **************

    Jardineiro, com certeza hj eu optaria pela amizade de Ravier sem pensar duas vezes.
    Mas para a coisa funcionar hj, Aline teria q ser homem e Ravier apaixonado por ele.
    Hoje eu jamais arriscaria uma amizade sólida por um envolvimento casual.
    Um 2012 abençoado em sua vida e de grandes conquistas sempre!!

    Abração!! =)

    **************

    Cara Comum, acho que sempre estaremos fazendo coisas q não entendemos. Mas o importante, é conseguir compreendê-las depois e tentar não se repetir. =)

    Abração!!

    ResponderExcluir
  20. Ok, li o blog inteiro. Volte a escrever, por favor!
    Não consigo te dizer quantas vezes me identifiquei e me vi nas linhas e entrelinhas de cada texto.

    Sensacional!

    ResponderExcluir
  21. Vou te adicionar no meu blog, ok? Mesmo que não venha a postar mais, acho que muitas pessoas precisam ler isso aqui.

    Abraço!

    ResponderExcluir

Sintam-se livres para deixar seus apontamentos no meu diário.